23 dezembro 2016

Cachaço de porco com molho de soja e gengibre

Hoje é dia de me despedir e desejar a todos os meus leitores festas felizes com tudo incluído, tudo aquilo a que temos direito. Paz, amor, saúde e família unida. Espero que comam muito e bem, riam, brinquem e se divirtam. Eu cá vou encher-me de calorias a ver se engordo de uma vez por todas. Agora deixo mais uma versão destas peças de porco que se colocam no forno e se fazem sozinhas. Para dias de emergência não há melhor. Cá por casa foi para salvar a minha constipação que me deixou com menos vontade de estar na cozinha. Como sobra sempre carne, é uma maravilha para pôr no pão e fazer umas "sandochas" deliciosas para a refeição seguinte, que fazem boa companhia a uma sopa.
Abraços calorosos a todos! Regresso em breve.

20 dezembro 2016

Vol-au-vent de ricotta Galbani e bacon

Eu pego, não pego, eu pego, não pego não... Não, não é a canção do Seu Jorge, é mesmo o único problema que me deparo neste momento, enquanto meio mundo tem os dias no caos por causa do natal, e eu já com tudo organizado, lembranças compradas, ementa pensada e ingredientes em casa.
O meu problema é se eu pego o cão e enfio-o dentro dos lençóis ou não pego o cão e deixo-o a choramingar com aquele ar triste, abandonado, sozinho no mundo e afins... Não, eu pego e enfio o cão dentro dos lençóis, está decidido! Agora instaurou-se uma guerra entre mim e o "piolho" a ver quem dorme com o cão. Já tentei de tudo, desde deitar-me mais cedo, esconder o cão bem lá no fundo com o roupão por cima da cama para disfarçar, fingir que estou triste e preciso de companhia, etc. O que é certo é que eu adoro dormir com aquela "coisa" que tem sempre a temperatura do corpo a rondar os 39º. É bem melhor que um saco de água quente e está sempre pronto a usar, o único senão é que temos de dormir com um olho no burro e outro no cigano, pois já se deu o caso de acordar e ter o cão a mordiscar-me o cabelo, e ninguém quer acordar e ter um lado do cabelo mais curto, mas de resto continuo a sentir-me aquela menina feliz que a mãe deixou ter um cão. Se eu soubesse que iria ser tão bom, já tinha tomado esta decisão, porque afinal agora a mãe sou eu. E se eu sou a mãe, então quem manda sou eu, certo?
Para não variar lá deixei a massa folhada perto de acabar o prazo, mas como a vida é tão simples bastou abrir o frigorífico e olhar para a embalagem de Ricotta Galbani e surgiu uma ideia bem boa e simples para dar de lanche ao "piolho" e ao seu amigo que estava cá por casa. Eles adoraram foi o que foi.


  

19 dezembro 2016

Mousse de bolacha Maria e canela (com leite condensado cozido)

As coisas estão a compor-se no mês de dezembro. Mês em que fico sempre com o "síndrome do ninho", como costumo dizer repetidamente há 10 anos. Foi o mês que nasceu o "piolho encardido", precisamente no dia 25. Em dezembro fico doida com as limpezas e as arrumações, lavo tudo o que há para lavar em casa. Tapetes, cortinados, edredons, mantas, almofadas, tudo e mais alguma coisa. Faço arrumações nos armários todos e nem a caixa de costura escapa ao meu controle. Quero ter tudo organizado para receber a chegada do meu menino Jesus, e faço-o todos os anos compulsivamente. Não sei explicar este "síndrome", mas o que é certo é que o tenho e sinto-o com uma força e uma energia inesgotável. Depois sobra pouco tempo para as sobremesas muito elaboradas, mas não foi por isso que os meus amigos e a criançada não tiveram direito a uma sobremesa relâmpago que agradou a todos, inspirada na última mousse que fiz.











14 dezembro 2016

Lombinho de porco em massa folhada e chutney de cebola roxa

O ano passado no almoço de aniversário do "piolho" para comemorar os seus 10 anos, além de um arroz de marisco, fiz lombinhos de porco a fazer lembrar o tão famoso Wellington. Um destes dias apeteceu-me voltar a fazer e resulta sempre, desde que não nos esqueçamos de alguns passos importantes. O melhor é fazer o chutney no dia anterior e selar a carne para que arrefeça completamente antes de ser enrolada na massa. Faz um vistão à mesa e todos gostam. Fica aqui a receita finalmente, porque o ano passado não houve direito a registo fotográfico em condições.

12 dezembro 2016

Massada de bacalhau, camarão e argolas do mar

Para eles não há melhor maneira de comer bacalhau que não seja cozido com grão, cebola e coentros picados por cima. Que enfadonho (por quererem sempre o mesmo)... Por isso decidi dar ao lombo que me cabia, um destino bem diferente. Foram feitos dois almoços no mesmo dia. O enfadonho para eles e uma massada tão boa para mim, que mimei com camarões e argolas do mar. Quando os chamei para a mesa ficaram ali a olhar de esguelha para o meu prato. E que cheirinho que saía do meu prato. Houve ali um certo olhar de repreensão para a cozinheira, mas para a próxima que pensem duas vezes antes de me pedirem sempre o mesmo bacalhau cozido com grão.
Uma massada que se faz sem grandes complicações. Gosto de usar as cascas do camarão e depois triturá-las e isso dá um sabor extra ao caldo, aliás muito caldo para que a massa não fique seca e quase se possa comer à colher, e no dia a seguir levar para almoçar no trabalho e estar melhor ainda. São servidos? Ou preferem cozido com grão?

07 dezembro 2016

Mini pizzas de mozzarella galbani, linguiça e azeitonas pretas

Se eu vos disser que estas mini pizzas bem rústicas foram o pequeno-almoço do "piolho encardido" um destes dias, provavelmente ninguém acreditaria. Mas foram. Havia um teste melindroso que estava a pôr-lhe os nervos em "fanicos", portanto havia que fazer qualquer coisa para o animar e levantar-se da cama com mais vontade e energia. E assim foi. Saíram do forno umas pizzas com a ajuda da Galbani. Como sou uma mãe ocupada de manhã, não poderia fazer a massa da pizza ou o molho de tomate caseiro, como sempre faço, portanto desta vez precisei de uns atalhos que me facilitaram a vida nessa manhã. Bom feriado!


05 dezembro 2016

Mega Hambúrgueres de vaca, beterraba e aveia, com batata doce "frita" no forno

Fazer hambúrgueres em casa é sempre um prazer. Posso adicionar à carne coisas boas e escondê-las quase sem ninguém dar por isso. Há tantas versões que eu não me canso de experimentar sempre mais uma, consoante o que vou tento em casa. Desta vez saíram uns com carne de vaca, beterraba e aveia, deliciosamente acompanhados por umas fingidas batatas doces fritas no forno.

02 dezembro 2016

Musse de leite condensado com amêndoa crocante

Lá por casa já se fez a árvore. Desta vez uma bem mais pequena e fora do alcance do "monte pulgas". Já para prevenir que ele coma literalmente os enfeites. O natal não trás só coisas boas, trás também os stresses habituais das famílias, onde ir na consoada e onde ir no dia de natal. Para mim é tudo muito simples de resolver pois considero-me uma pessoa justa. Planeio atempadamente para garantir que todos estão presentes no dia, para que se possam dividir por outras casas e famílias. Aliás estou-me bem nas tintas para o natal. O mês de dezembro apenas significa para mim férias, e um dos grandes acontecimentos da minha vida. O nascimento no dia 25 do meu "piolho". Portanto o natal é transformado num aniversário com direito à visita do pai natal. Para adoçar qualquer mesa de natal ou aniversário esta mousse é perfeita. A receita foi trazida daqui.

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...